SINDICATO  DOS  GUARDAS  CIVIS  METROPOLITANOS  DE  SÃO  PAULO
Seja bem vindo(a) - Hoje é terça-feira, 17 de outubro de 2017
Últimas Notícias
Governo - 28/07/2017 00:00:00

DIRETORIA DO SINDGUARDAS-SP SE REÚNE COM COMANDANTE GERAL DA GCM

Na tarde da última quinta-feira (27/07), a Diretoria do Sindguardas-SP se reuniu com o Comandante Geral da Guarda Civil Metropolitana Adelson de Souza e o Chefe de Gabinete do Comando, Inspetor de Agrupamento Nilzo, para tratar das demandas cotidianas da GCM que estão relacionadas à gestão do Comandante. As pautas foram:

OPERAÇÃO REDENÇÃO (NOVA-LUZ)

A Diretoria expôs, mais uma vez, os principais problemas a que estão expostos os GCM's que atuam no programa e a resolução destas demandas dependem exclusivamente de gestão operacional, como segue:

APOIO DE UNIDADES DA PERIFERIA

As viaturas das unidades mais distantes do centro precisam se deslocar muitos quilômetros para chegar ao local de policiamento e, portanto, acabam sendo os últimos a chegar e, consequentemente, os últimos a sair. A reivindicação do Sindguardas-SP é que o Comando Geral acabe com o apoio das unidades à Operação Redenção, utilizando, para este policiamento, as equipes das unidades do centro.

O Comandante respondeu que sua intenção é realmente acabar com a necessidade de apoio das Inspetorias de fora da área central e fará isso gradativamente. Até a metade do mês de Agosto reduzirá, pelo menos, pela metade o apoio das Inspetorias e começará dispensando do apoio as Inspetorias mais distantes.

FORTE ODOR NO LOCAL ONDE AS VIATURAS FICAM POSICIONADAS

Outro problema se dá porque a equipe de limpeza da PMSP efetua a limpeza apenas na área onde ficam os usuários de drogas, mas não limpa os locais onde estão posicionadas as viaturas da GCM, logo, os policiais ficam expostos ao forte e insuportável odor durante todo o turno.

O Comandante afirmou que tomará as providências para que os locais das viaturas também sejam limpos.

VIATURAS E EQUIPES EXPOSTOS AO SOL, SEM QUALQUER ABRIGO

Algumas das equipes e viaturas empenhadas na operação ficam em locais em que não há maneira de se abrigar do sol e ficam grande parte do dia expostos ao sol. A reivindicação do Sindguardas-SP é que o Comando Geral estude meios de resolver esta questão, seja pela reposicionamento das viaturas, seja pela instalação de abrigos.

O Comandante afirmou que estudará a questão, juntamente com os Inspetores encarregados pela operação.

JORNADA DE TRABALHO - OBSERVAÇÃO DA PORTARIA 61/16

O Sindguardas-SP reivindica ao Comando Geral da Guarda Civil Metropolitana que fiscalize os chefes de unidade, pois, alguns estão desrespeitando o que estabelece a Portaria 61/16, quanto às jornadas de trabalho.

O Comandante Geral afirmou que expedirá uma circular para orientar a todos os chefes de unidade quanto ao cumprimento na íntegra da Portaria 61/16, na conformidade daquilo que está previsto. O setor responsável por esta circular é a Suplan.

POLICIAMENTO NO HSPM

Quanto à nova demanda de policiamento no HSPM, o Presidente do Sindguardas-SP esteve no local por duas vezes e detectou, juntamente com o efetivo empenhado, que há algumas coisas a serem resolvidas, como a comunicação interna entre os policiais e um espaço exclusivo de vestiário para a GCM. A Diretoria do Sindguardas-SP sugere que seja montada uma Inspetoria no HSPM e observa que no 11º andar há espaço suficiente para isso.

O Comandante Geral afirmou que vai conhecer as dependências e não vê obstáculos para a criação de um espaço exclusivo ou até uma Inspetoria no local.

QUESTÃO DO 3º DP

Há um Delegado de Polícia no 3º DP que costuma questionar a legalidade das ações da Guarda Civil Metropolitana, insurgindo-se contra a Lei 13022/14 e todo ordenamento jurídico municipal que estabelece as atribuições policiais da GCM. Como as atribuições do policial da GCM são vinculadas, previstas em Lei e coordenadas pelas políticas públicas da Prefeitura, como por exemplo a meta do Prefeito Dória de reduzir em 10% dos crimes de oportunidade (furtos e roubos), a Diretoria do Sindguardas-SP entende que este é um problema institucional, que o Comando Geral deve resolver com o Delegado Geral de Polícia ou até mesmo com o Secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo.

O Comandante afirmou que tem conhecimento desta problemática e já agendou reunião com o Delegado Geral de Polícia para tratar desta questão.

MEMORIAL DA GUARDA CIVIL METROPOLITANA

A Diretoria do Sindguardas-SP, ao tomar conhecimento da falta de conservação do Memorial da Guarda Civil Metropolitana, instalado no Centro de Formação em Segurança Urbana e de receber denúncias de que há uma intenção em desativa-lo, reivindica ao Comandante Geral da GCM que zele pela memória desta gloriosa Corporação e conserve a história da GCM, que é contada por meio do Memorial.

DEAC PARA READAPTADOS

O Comando Geral está abrindo vagas de DEAC na CETEL para os readaptados, porém, só podem se inscrever os GCMs readaptados que já trabalham na CETEL. O Sindguardas-SP reivindica que sejam abertas vagas nas unidades para todos os readaptados com porte de arma, ou, autorizar aos readaptados das unidades a se inscreverem para cumprir a DEAC na CETEL.

O Comandante Geral afirmou que encontra obstáculo no laudo médico de cada readaptado, pois, só pode aproveitar este policial readaptado em função compatível com seu laudo e que a DEAC na CETEL exige capacitação específica para a operacionalização dos equipamentos de monitoramento, atendimento e rádio, de forma que o efetivo que lá está lotado já tem esta capacitação.

A Diretoria do Sindguardas-SP argumentou que cada chefe de unidade pode fazer o levantamento e cadastramento das funções em que cada readaptado pode ser empenhado e que o readaptado que já exerce o policiamento na sentinela em seu turno normal pode ser escalado na sentinela também na DEAC.

O Comandante gostou da ideia de cada chefe de unidade fazer este levantamento e afirmou que a DEAC na CETEL será projeto piloto, que posteriormente poderá ser estendido para as unidades.

PROBLEMAS DE COMUNICAÇÃO - FALHA NA REDE RÁDIO

O Sindguardas-SP reivindicou manutenção na rede rádio da Guarda Civil Metropolitana, pois tem apresentado falhas em alguns pontos específicos da cidade.

O Comandante Geral afirmou que o contrato de manutenção com a Motorola está em vigor e que a empresa tem feito manutenção em todo o sistema, porém, algumas manutenções não são de responsabilidade da Motorola e que já existe uma licitação para contratar esta manutenção diversa. Também orientou que, em todas as vezes que o policial perceber falha na comunicação, deve anotar o local e fazer chegar, por relatório, a informação na SMTel, para providências de medição e manutenção.

OPERAÇÃO PANCADÃO - NECESSIDADE DE EQUIPAMENTOS ESPECÍFICOS

O Sindguardas-SP reivindicou que o Comando Geral providencie equipamentos específicos de proteção para os policiais empenhados na Operação Pancadão, com o fito de evitar que estes policiais sejam vitimados por objetos arremessados ou até disparos de arma de fogo.

O Comandante Geral afirmou que vai estudar a questão juntamente com seus Superintendentes e buscar solução para a questão.

PROBLEMAS DE EFETIVO E CONFRONTOS NA IR-SÉ

A Diretoria do Sindguardas-SP reivindicou ao Comando Geral que providencie estudos e entre com providências em relação ao alto número de licenças médicas na unidade, buscando soluções de tratamento médico ou terapêutico aos servidores que necessitam e providências quanto ao reduzido efetivo escalado na Base Comunitária da Sé, fato este que pode ter contribuído para o confronto que vitimou um Classe Distinta na semana passada.

O Comandante Geral ficou surpreso com o número de afastamentos médicos da unidade, mas, assim como a Diretoria do Sindguardas-SP, acredita que este fato não está relacionado à gestão da unidade, mas sim a outros fatores e reconhece que se faz necessário entrar com medidas de prevenção aos que estão na ativa e tratamento aos que estão afastados. Quanto ao efetivo reduzido na BC Sé, vai conversar com a gestão da unidade para buscar uma solução.

CASAS DE MEDIAÇÃO E CEJUSC MUNICIPAL - JORNADA DE TRABALHO DIFERENCIADA

A Diretoria do Sindguardas-SP entende que a atividade desenvolvida pelos Mediadores de Conflitos nas Casas de Mediação e no Cejusc Municipal são de natureza operacional, pois, prestam atendimento direto ao público e, muitas vezes, não têm a oportunidade de fazer uma hora para refeição devido à demanda do local, portanto, deveriam ser escalados por 8 horas ininterruptas ou na escala plantonista. É reivindicação de muitos mediadores esta escala plantonista, a qual permitiria ao GCM Mediador também fazer a DEAC.

O Comandante Geral dará resposta desta demanda na próxima reunião com o Sindguardas-SP.

ABASTECIMENTO E COMPOSIÇÃO NAS VIATURAS

A Diretoria do Sindguardas-SP reivindica que o Comando Geral revogue as ordens de serviço que determinam o abastecimento exclusivo com álcool nas viaturas e proíbe a composição das equipes de policiamento com mais de 2 policiais.

O Comandante Geral pediu ao Chefe de Gabinete para levantar estas Ordens de Serviço e revoga-las, pois, também entende que são desatualizadas.

CURSO DE PISTOLA

A Diretoria do Sindguardas-SP reivindica que o curso de pistola seja estendido para todos os GCM's de todas as unidades.

O Comandante Geral afirmou que está enfrentando um problema com a falta de munição para conclusão do curso de pistola e que, neste primeiro momento, a prioridade para fazer o curso são dos GCM's das unidades especializadas (IOPE, Ambiental e Canil), porque são as unidades que receberão primeiro os novos armamentos, mas que posteriormente o curso será estendido a todos.






IMAGENS: SINDGUARDAS-SP

 
SINDGUARDAS-SP TRABALHANDO PARA VOCÊ!

 


Fonte: SINDGUARDAS-SP
Comentários
  • 06/08/2017
    Ailton
    Interessante... ha alguns meses circulou email solicitando voluntarios para trabalhar lotado na cetel e nao houve interesse do efetivo, falaram da distância, falaram que não ha incentivo de difícil acesso, auxilio distancia, etc... mas para fazer deac não há esses impecilios?

Contador de Visitas

1712706
Visitantes online
Pesquise no site